Principal Biografia Livros Poemas Contos Porta-palavra Ademais
             
English Galeria Vídeos Links Crônica do Dia Talhe Contato
             
 
  Poemas      
  Contemplação (Des)Cabimento

Vestindo a alma sob a quentura do sol

 
         
 

Surtei foi de fascínio.

Foi de ver os lábios ressecados serem banhados pela água do copo,
Num simples gesto de secura.
E de, em seguida, esquadrinhar a geografia do sorriso minado.
Foi de engolir a seco o até logo,
Ainda que melindrando a partida.
E também de ter presenciado os olhos aguarem por dor de amor,
De saudade.
E de como negou se entregar a esse desfecho,
Temendo não mais voltar do abismo que ele oferecia.

Surtei foi de vontades.

De alisar-lhe a face com as costas da minha mão vazia.
Que nelas houvesse o mapa que desse no carinho que necessitava.
Que o gesto fosse de riqueza apaziguadora,
E que do abraço vertesse essa poesia que jamais consegui decifrar:
Compartilhamento.
E o tempo fosse embalado pelos bons ventos.
Que chovesse girassóis.
Que dessem frutos no jardim.
Que avermelhasse de pôr-do-sol esse dia.

Surtei também de tristeza.

De parecer infinito e sem brandura esse caminho.
Por ter no bojo da minha alma a fadiga aninhada.
De temer o começo do fim dessa benquerença de intensidade que sei...
Dará em saudade que jamais partirá.
E de velar a realidade na crueza das restrições.

Surtei de esperança.

Porque não há como negar a beleza do abrir os olhos.
O gosto de tomar café quente em dia frio.
As gargalhadas dos amigos, depois de contarmos uma piada sem graça.
E porque me volta,
E sempre,
A lembrança de como fala tão manso,
Como se entoasse uma canção que, ainda que repetida,
Soaria inédita.

Uma canção de afetos.

 
 
 

No mundo cabe verso
Cabe estrada
No mundo cabe
Às dez horas da manhã
Na alta madrugada
Cabe o choro
Na tez da moça triste
Uma deusa pagã

Nas mãos cabe gesto
Cabe sol
Nas mãos cabe
Ternura e uma canção
No olhar distraído
Cabe procura
Na alma intranqüila
A solidão

Na alma cabe desejo
Cabe mágoa
Na alma cabe
Cantatas e paixões
No corpo trêmulo
Cabem charadas
Na falsa indiferença
Razões

Descabimento é esse
Caber o olhar na fresta
Embrenhar o olhar na festa
Pra bailar a sós o amor

 
 
 
 
 
Milímetros de um eu semCa
 

Sou eu...
Um segundo de luz
que dói,
amarga os olhos,
transfigura o semblante,
neutro.
Sou eu...
De beleza que de belo
só tem os braços
deitados sobre o colo.
Não posso olhar
minha alma.
Não posso assisti-la
num canto.
Sou eu...
Rústica, acariciando pés
incansáveis.
Caminham sobre mim
pés que doem,
me encantam.
Sou eu...
Quero comer uma fruta
de doçura que dure o instante.
Assim como dura até hoje
o ontem
que sou
eu.

 
 
 
 
 
 
 
 

Ao Eduardo Loureiro

Ruminação...
Deixar-se à mercê do significado literal de mastigar.
Mastigar a vida.
Alimentar-se dela.
Mastigar os sentimentos.
Alimentar-se deles.
Mas de um jeito tão silencioso,
porque não deseja dividir a trilha sonora
com desconhecidos nada interessados em conhecer o dentro do outro.
Ruminar somente com conhecidos de alma;
com aqueles que se permitem exorcizar tragédias pessoais...
Das pequenininhas às devastadoras.
E dos que riem do outro, mas sem ofender ao próximo.
Dos que fazem certo charme,
mas ficam por perto e confidenciam que,às vezes,
cultivam fetiche pela felicidade.
Ruminando lonjuras quando tudo o que se quer
– com o desespero dos silentes -
é aquele abraço...
Nenhum outro.
Nem ninguém.
E daí fazer bico,
chutar parede que é pra doer mais o dedo do pé do que a alma...
Que deixou de querer ser amante da solidão enraizada.
Então, encher os olhos d’água, só porque, enquanto enxugava a louça,
deu-se conta de que depois de um tempo
- que nem dá pra contar,
o coração deixou a aridez de lado
e convidou a paixão pra dançar.
Matando a sede de viço.
De vida.
Dando de comer ao amor.
E às danças: pés descalços tocando o assoalho.

 
 
 
 
 
Desejo
 

Aos meus pés,
a trilogia das sensações desconhecidas
dos sentimentos desocupados
que enfeitam a minha realidade
com a poeira das coisas desacontecidas
e murmuram nos meus ouvidos
a intimidade dos carinhos descarrilados
num zunzunzum de afetos brincalhões
e mágoas desiludidas
meu desejo é uma partida
com volta garantida

 
         
 
                   
   
                                               
 
     
 

 

Desenvolvido e atualizado por Tramela Web                                                                                                                            2006 - 2017 © Todos os direitos reservados